ASTM G65 – Ensaio de abrasão usando Areia Seca em Roda de Borracha

Você já se perguntou quantos grãos de areia tem na Terra? Apesar de uma estimativa precisa ser improvável, se considerar partículas de diâmetro médio de 0,4 milímetros, chega-se na ordem de 107 grãos de areia (1.000.000.000.000.000.000.000).

Mesmo longe de praias e desertos, esses particulados finos estão praticamente em todos os lugares. Não é surpresa que a areia representa o principal abrasivo que degrada componentes de engenharia em diversos setores industriais: petroquímica, agroindústria, mineração etc. Areia até virou ditado popular, já que a expressão “jogar areia” significa o ato de algo ou alguém atrapalhar, impedir, atrasar, obstruir ou sabotar outrem.

Portanto, mesmo indesejada, areia ou particulados duros e finos são comumente responsáveis pela degradação, falha e diminuição da vida útil e performance de dispositivos de engenharia. Assim, normas foram criadas para avaliar a resistência à abrasão de materiais e componentes capazes de suportar tais agressões.

O ensaio de abrasão usando o tribômetro tipo areia seca e roda de borracha baseia-se no desgaste ocorrido em uma amostra devido ao atrito entre a superfície de uma roda de borracha e a superfície analisada em presença de areia como abrasivo. Aplica-se um fluxo controlado de areia seca entre estas superfícies e uma carga radial constante.

O grau de desgaste é avaliado em perda de volume (mm³). Para a obtenção deste dado, divide-se a variação entre a massa do corpo de prova original e ensaiado (g) pela densidade do material analisado (g/cm³), convertendo o resultado de cm³ para mm³.

Para a realização do ensaio em materiais metálicos utiliza-se da metodologia descrita na norma “ASTM G65−16 Standard Test Method for Measuring Abrasion Using the Dry Sand/Rubber Wheel”. Esta descreve os parâmetros de ensaios necessários para melhor confiabilidade do ensaio – como fluxo de areia aconselhável (g/min), velocidade da roda de borracha (RPM), tamanho do grão de areia (µm), tipo de fluxo de areia (laminar ou turbulento), acabamento superficial apropriado na roda de borracha e suas consequências.

Além de cinco diferentes procedimentos que variam a distância linear percorrida pela roda de borracha e a carga radial aplicada. Estas variações nos procedimentos de ensaio levam em consideração o grau de abrasão esperado.

O teste é um procedimento reconhecido e eficaz para comparação de diferentes materiais frente ao desgaste abrasivo, permitindo a seleção e desenvolvimento de produtos, componentes e soluções cada vez melhores para diversas aplicações onde a abrasão é um risco iminente. Trata-se também de um teste para avaliar a performance e eficácia de revestimentos e tratamentos de superfícies para prolongar a vida útil de componentes de engenharia.

O CCDM tem experiência em testes de abrasão usando areia seca em roda de borracha (ASTM G65) e em revestimentos protetores contra o desgaste abrasivo, além de contar com uma equipe altamente capacitada. Nos contate em caso de interesse! E se tiver sugestões de mais temas de desgaste, lubrificação e engenharia de superfícies insira nos comentários e curtam que faremos mais postagens! 

Entre em contato conosco para saber mais sobre Ensaio de abrasão usando Areia Seca em Roda de Borracha e outros ensaios que são realizados em nossos laboratórios.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to top